Ainda não está formalizado o custo que os utilizadores vão pagar pela Tarifa Social de Internet, que deverá dar acesso a mais de 700 mil famílias a um serviço de internet mais acessível. A Anacom definiu os requisitos de velocidade e de volume de tráfego e recomendou a aplicação de uma tarifa mensal de 5 euros (mais IVA), mas falta agora uma portaria do Governo a fixar e formalizar o valor.

Enquanto a portaria não é publicada, e o serviço não está disponível, a Anacom está já a avançar com o regulamento onde define a forma como é feito o cálculo de custos líquidos que os operadores vão ter com a tarifa social de internet, e se há lugar a ressarcimento do valor, ou seja, se as empresas têm direito a receber do Estado uma compensação pela prestação do serviço de banda larga.

O regulador tornou público que já deu início ao "procedimento para elaboração do regulamento da metodologia de cálculo dos custos líquidos da prestação da tarifa social de Internet em banda larga" e disponibilizou o endereço de email regulamento.metodologia@anacom.pt para receber contributos e sugestões, que devem ser enviados até 25 de outubro.

Quando o projeto de regulamento estiver pronto os interessados vão ainda poder pronunciar-se numa consulta pública.

É oficial: Proposta da Anacom fixa tarifa social de internet nos 5 euros mas aumenta velocidade e tráfego
É oficial: Proposta da Anacom fixa tarifa social de internet nos 5 euros mas aumenta velocidade e tráfego
Ver artigo

Recorde-se que a Anacom aprovou as novas regras para a tarifa social de internet de banda larga, definindo os preços e as velocidades mínimas obrigatórias. O destaque vai para a realinhamento dos valores, sendo que inicialmente se pedia uma velocidade mínima de download de 10 Mbps que passa a ser 30 Mbps, e o upload de 1 Mbps passa a ser 3 Mbps. Além da velocidade, o valor mínimo do tráfego mensal a incluir na oferta passa dos 12 GB para 30 GB.

Como se calculam os custos líquidos?

A Anacom lembra que "o ressarcimento dos custos incorridos com a disponibilização do serviço de acesso à Internet em banda larga nos termos previstos no Decreto-Lei n.º 66/2021 implica que a ANACOM, através da auditoria às contas e outras informações que lhe sejam apresentadas pelos prestadores, calcule o custo líquido decorrente do cumprimento desta obrigação, tendo em conta quaisquer vantagens de mercado adicionais de que beneficiem os prestadores da tarifa social, designadamente, o crescimento do mercado de utilizadores destes serviços, observando os critérios constantes da parte A do anexo VII da Diretiva (UE) 2018/1972 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de dezembro de 2018".

Tarifa social de Internet vai permitir pagar menos pela banda larga. Quem pode ter acesso?
Tarifa social de Internet vai permitir pagar menos pela banda larga. Quem pode ter acesso?
Ver artigo

Para receberem essa compensação os operadores têm de apresentar um pedido ao membro do Governo responsável pela área da transição digital e à ANACOM, o que deverá ser feito até ao final do mês de janeiro por referência às prestações realizadas no ano civil anterior. Este pedido "deve ser acompanhado de toda a informação necessária e relevante para a sua apreciação".

O objetivo é que o regulamento esteja pronto "a tempo de permitir aos prestadores que, querendo, solicitem o ressarcimento dos custos incorridos com esta prestação em 2021".

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.