Uma empresa dinamarquesa que oferece serviços online de procura de empregos apresentou uma queixa antitrust aos reguladores da União Europeia contra a Alphabet esta segunda-feira. Em causa está a posição dominante da empresa que de forma injusta terá favorecido a sua plataforma Google For Jobs, avança a Reuters. Esta queixa não é inédita e a casa-mãe da Google já estava sobre escrutínio pela Comissão Europeia desde 2019.

O serviço de pesquisa de empregos da Google foi lançado em 2018 e desde então recebeu críticas de 23 plataformas rivais em 2019, acusando a gigante tecnológica de terem perdido quota do mercado depois da Google ter usado a sua posição dominante para alavancar o seu serviço. Na sua queixa, os rivais afirmaram na altura que a Google colocava uma interface da ferramenta no topo dos resultados de pesquisas como “trabalhos de call center" na maior parte do mundo.

Ferramenta de pesquisa de trabalho da Google desrespeita leis da concorrência, dizem rivais
Ferramenta de pesquisa de trabalho da Google desrespeita leis da concorrência, dizem rivais
Ver artigo

O serviço da Google permite às empresas agregarem anúncios de oferta de empregos, possibilitando aos candidatos filtrarem, guardarem e até receberem alertas sobre a disponibilidade de trabalho. Em questão está o widget de grandes dimensões que a Google coloca no topo dos resultados das pesquisas, “ofuscando” a concorrência.

A nova queixa da Jobindex, que foi uma das 23 empresas que apresentaram a ação contra a Google em 2019, disse à Reuters que a tecnológica destorceu para si aquele que era um mercado muito competitivo, na Dinamarca, através de meios anticoncorrenciais. O CEO e cofundador da empresa, Kaare Danielsen, disse que tinha construído a maior base de dados de empregos na Dinamarca na altura em que a Google for Jobs entrou no mercado. A partir daí, a Jobindex perdeu 20% do tráfego de pesquisa para aquele que considera ser um serviço inferior prestado pela Google, afirma o seu líder.

“Ao colocar o seu serviço inferior no topo das páginas de resultados, a Google esconde algumas das ofertas de emprego mais relevantes a quem procura. Os recrutadores, por outro lado, podem não alcançar todos os que procuram emprego, a não sere que utilizem o serviço da Google”, acrescentou. Na sua queixa à Comissão, afirma ainda que a plataforma não só sufoca a concorrência entre os serviços de recrutamento, mas diretamente prejudica os mercados de trabalho, que são centrais a qualquer economia.

Ferramenta de pesquisa de trabalho da Google vai estar sob o escrutínio da União Europeia
Ferramenta de pesquisa de trabalho da Google vai estar sob o escrutínio da União Europeia
Ver artigo

É pedido que a Google seja impedida de continuar com estas práticas antitrust, uma multa à empresa e obrigação de pagamentos periódicos para garantir o cumprimento da lei. A Jobindex diz ainda que viu exemplos dos seus anúncios de ofertas de emprego copiadas sem autorização e colocadas no Google for Jobs em nome de parceiros de negócio da empresa. E ainda salienta os riscos de privacidade dos clientes e candidatos, segundo a Reuters.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.