O núcleo do maior planeta do Sistema Solar é algo incomum e uma equipa de investigadores acredita que a explicação pode estar nesta colisão dada há 4.500 milhões de anos, que acabou por interromper o processo de formação do gigante gasoso.

As imagens e dados recolhidos pela sonda Juno, da NASA, indicam que no lugar de um núcleo central pequeno e muito denso, Júpiter poderá ter um núcleo mais “diluído”, embora contendo elementos pesados.

Colisão com planeta anão pode ter provocado diferenças entre os dois lados da Lua
Colisão com planeta anão pode ter provocado diferenças entre os dois lados da Lua
Ver artigo

Tentando perceber o que pode ter provocado tal “efeito”, os investigadores usaram modelos de simulação de colisões e os resultados mostraram que só o impacto de um embate com um planeta jovem, de grandes dimensões, seria capaz de tornar o núcleo mais difuso, permitindo uma mistura que contem rochas e gelo, mas também hidrogénio e hélio.

"Como é denso e vem cheio de energia, o impactador seria como uma bala que atravessa a atmosfera e atinge o núcleo", afirma Andrea Isella, coautora do estudo e astrónoma na Rice University. “Antes do impacto, tens um núcleo muito denso, rodeado de atmosfera. O impacto frontal amplia as coisas e dilui o núcleo”.

Os resultados do estudo foram publicados recentemente na revista Nature.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.