Depois do Facebook enfrentar um novo escândalo devido a uma fuga de dados de 533 milhões de utilizadores, chega a vez do LinkedIn estar envolvido numa situação semelhante. Uma base de dados com informações de 500 milhões de utilizadores da rede social foi posta à venda num popular fórum online de hackers.

De acordo com o website CyberNews, o autor da publicação no fórum em questão partilhou também uma amostra com informações de 2 milhões de utilizadores para demonstrar as suas intenções. Embora seja possível aos hackers do fórum aceder à amostra em troca de um pagamento em créditos equivalente a dois dólares, a base de dados original foi dividida em quatro ficheiros que estão a ser leiloados por quantias na casa dos milhares de Bitcoin.

Publicação do hacker no fórum

Tendo em base as amostras a que tiveram acesso, os analistas do website indicam que a base de dados contém informações como IDs do LinkedIn, nomes completos, endereços de correio eletrónico, números de telefone, género, títulos profissionais, assim como ligações a outros perfis dentro e fora da rede social.

O autor da publicação no fórum afirma que os dados foram recolhidos do LinkedIn através de uma técnica conhecida com “scraping”. Nela, os hackers recorrem a software automatizado para recolher todo o tipo de informações disponíveis publicamente na Internet.

Em comunicado, o LinkedIn explica que já investigou o sucedido e que concluiu que a base de dados posta à venda contém informações recolhidas a partir dos websites de outras empresas. Apesar de incluir dados que estão disponíveis publicamente na rede social, não se trata de uma fuga de dados que originou na sua plataforma.

As informações recolhidas pelo hacker podem ser depois utilizadas para criar perfis mais detalhados de possíveis vítimas, levando a casos de roubo de identidade ou à criação de esquemas de phishing mais sofisticados.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.