A remoção de lixo espacial tornou-se essencial para a sustentabilidade do espaço, dada a necessidade de evitar que o risco de fragmentos de dispositivos obsoletos colidirem com satélites novos ou espaçonaves.

O esforço de desenvolvimento de soluções que permitam essa remoção segura tem por isso aumentado, com a proposta de diferentes técnicas. Na solução criada pela Fujitsu para o Reino Unido, em colaboração com a Amazon Web Services, a Astroscale UK e a Universidade de Glasgow, prevalece a combinação entre quântica e Inteligência Artificial (IA).

O objetivo é melhorar o planeamento das missões de modo a que uma única nave espacial consiga selecionar, de forma eficiente, as partes dos destroços espaciais a remover numa missão. Tal vai permitir igualmente aumentar a rapidez a que isso acontece atualmente.

Ao decidir cuidadosamente que destroços são recolhidos e quando, a solução otimiza o plano de missão, determinando a quantidade mínima de combustível e o tempo mínimo exigido para, em segurança, reconduzir satélites ou naves espaciais não operacionais de volta à órbita de remoção. Encontrar a melhor rota para recolher os detritos espaciais irá poupar tempo e custos significativos durante a fase de planeamento da missão, melhorando simultaneamente a viabilidade comercial.

Saiba mais no website do projeto.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.