Um Tribunal de Moscovo terá garantido esta terça-feira que o reconhecimento facial da cidade a funcionar desde o início deste ano não viola a privacidade dos cidadãos. A notícia surge depois de um processo imposto ao Departamento de Tecnologia de Moscovo, responsável pela gestão do programa de videovigilância, acusado de colocar em causa a privacidade dos cidadãos.

Desde janeiro que Moscovo conta com tecnologia de reconhecimento facial nas câmaras de videovigilância nas ruas, depois de um contrato do Governo com o Departamento de Tecnologia. Na altura, o sistema não foi bem acolhido por ativistas e políticos, levando mesmo a um processo contra esse departamento. No entanto, um Tribunal de Moscovo já terá garantido que a tecnologia não viola a privacidade dos cidadãos.

A informação foi divulgada à agência Reuters por um advogado de uma das partes queixosas, depois da advogada e ativista Alena Popova e o político Vladimir Milov do partido da oposição, Solidarnost, terem processado o Departamento de Tecnologia de Moscovo. O objetivo seria proibir a utilização da tecnologia em eventos e manifestações com multidões.

Associação D3 alerta para riscos das propostas de videovigilância com IA da PSP
Associação D3 alerta para riscos das propostas de videovigilância com IA da PSP
Ver artigo

A cidade de Moscovo concluiu a implementação da tecnologia com a concessão de um contrato de software em dezembro de 2019, e, de acordo com a Reuters, já gastou pelo menos 50 milhões de dólares em hardware. Atualmente, o sistema conta com mais de 105 mil câmaras de vigilância equipadas com esta tecnologia.

Enquanto os processos judiciais estavam a ser analisados, o sistema continuou a ser utilizado, com as autoridades a usarem a tecnologia para garantirem que as pessoas permanecessem em casa devido ao coronavírus, quando assim o tem sido pedido.

No entanto, e citado pela agência, o advogado de Alena Popova, Kirill Koroteev, considera que esta decisão "mostra que não há defesas legais para reclamações na área do reconhecimento facial". Até ao momento, o Departamento de Tecnologia não respondeu às questões colocadas pela Reuters, mas no site oficial a instituição garante que o sistema de videovigilância em espaços muito movimentados "assegura a segurança das pessoas”, com as gravações dos vídeos a serem apagadas dentro de cinco dias depois de um incidente, à exceção de casos de pedidos específicos de pessoas ou da lei.

Em Portugal as preocupações estão sobretudo relacionadas com as propostas de videovigilância com inteligência artificial (IA) da PSP, com a D3 a avançar que é urgente lançar o debate acerca da utilização de sistemas de videovigilância com IA. Ainda antes disso, a Comissão Nacional de Proteção de Dados chumbou os pedidos de videovigilância com IA da PSP e um dos fatores que não terá agradado à Comissão está relacionado com “o risco elevado para os direitos fundamentais à proteção dos dados e ao respeito pela vida privada".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.