Os monitorizadores de sono, estejam eles em forma de aplicação móvel ou aparelho, podem ser muito bons a determinar se um utilizador teve, ou não, uma noite descansada. No entanto, como efeito secundário, o seu propósito pode conduzir a insónias.

Segundo um grupo de cientistas, que falou com o jornal New York Times, os monitorizadores de sono podem ter um efeito negativo no utilizador quando apresentam dados errados ou distantes dos esperados, provocando ansiedade.

Philips tem um novo sensor para melhorar o sono e evitar que ressone
Philips tem um novo sensor para melhorar o sono e evitar que ressone
Ver artigo

Num estudo conduzido pelo grupo, a tecnologia levou participantes a passarem demasiado tempo na cama porque estes acreditaram que essa seria a melhor forma de melhorar os seus registos. Adicionalmente, os utilizadores foram levados a pensar que tinham condições de saúde que na verdade não tinham, com base na análise dos números apresentados pelos seus monitorizadores.

O jornal sublinha que isto não significa que os aparelhos e as apps não sejam fiáveis, mas há já algumas marcas que fizeram questão de se defender publicamente. A Fitbit afirmou, por intermédio de um médico, que poucos dos seus utilizadores sofrem de ansiedade relacionada com o sono, mas destacou que os seus aparelhos conseguem detetar horários e hábitos de sono prejudiciais.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.