Depois da tempestade causada pela imposição de sanções na semana passada, os EUA parecem apostar agora numa posição mais moderada e suspenderam por três meses o bloqueio à Huawei, que vai assim poder utilizar componentes e programas informáticos norte-americanos antes da aplicação efetiva das sanções contra o grupo chinês.

Este período transitório de 90 dias, que pode ser aproveitado pela Huawei e os seus parceiros comerciais para se adaptarem, mas curiosamente foi precisamente o período que a empresa tinha definido nos seus planos de contingência para resolver o diferendo. A fabricante tinha feito já aquisições de componentes e materiais necessários para enfrentar uma guerra comercial de três meses com os EUA, como foi confirmado ontem.

"Esta autorização geral temporária dá (ao setor) tempo para se reorganizar e ao Departamento (do Comércio) a possibilidade de determinar as medidas apropriadas a longo prazo para as empresas de telecomunicações norte-americanas e estrangeiras, que hoje se servem dos equipamentos da Huawei para alguns serviços essenciais", indicou o secretário do Comércio, Wilbur Ross, em comunicado.

Play Store continuará acessível para dispositivos Huawei existentes
Play Store continuará acessível para dispositivos Huawei existentes
Ver artigo

Um dos impactos mais visíveis da decisão de bloqueio do executivo de Trump recai sobre a Huawei, dada a sua posição no mercado de smartphones a nível mundial. Com as sanções a Google deixará de poder fornecer o sistema operativo Android às marcas chinesas, afetando principalmente a marca que é número 2 a nível mundial.

A Google, cujo sistema Android equipa a imensa maioria dos 'smartphones' no mundo, anunciou no domingo que ia cortar as ligações com a Huawei, o que teria por resultado impedir o grupo chinês de aceder a alguns serviços do Android e das suas aplicações Gmail ou Google Maps.

Para além dos smartphones a Huawei é também uma das empresas lideres em infraestrutura de telecomunicações, e esta é uma das áreas visadas pelas sanções. Mas os responsáveis pela Huawei já garantiram que a empresa está preparada e que não vai recuar no desenvolvimento do 5G.

"A 5G da Huawei não será afetada" prometeu Ren Zhengfei, numa entrevista à estação estatal chinesa CCTV, acrescentando que "nem daqui a dois ou três anos" outras empresas vão conseguir competir com a gigante chinesa no que diz respeito à quinta geração móvel. "A equipa política americana, pela maneira atual de fazer as coisas, mostra que subestima a nossa força".

Recorde-se que a Huawei é acusada pelos EUA de espionagem em proveito de Pequim, que teria largamente contribuído para a sua ascensão internacional. Washington já tinha proibido aos seus militares a utilização de equipamentos Huawei, a qual desmente firmemente qualquer espionagem.

Washington receia que o grupo seja um "cavalo de Tróia" da China, devido designadamente ao passado militar do seu patrão. E, em especial, a uma lei, votada em 2017, que obriga as grandes empresas chinesas a cooperarem com os serviços de informações do país.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.